Autoeducação - Uma maneira de aprender mais

Vivemos em uma época de crescimento acelerado dos meios digitais: mais computadores, smartphones e sinal de rede chegando a lugares antes considerados remotos ou esquecidos. Em 2011, a ONU declarou que devemos enxergar o acesso à internet como direito humano. Estamos nos primeiros passos no processo de inclusão e ainda há pouco acesso às comunidades menos favorecidas, mas felizmente esses números vêm mudando e abre portas para uma forma de educar que muitas vezes passa despercebida: a autoeducação.

 
Além de expressão pessoal como principal forma de uso, a internet é um forte sistema para pôr em prática esse conceito. Autoeducação é encontrar a informação por si só, aprender mais e buscar os seus próprios métodos, independente de normas. É uma forma de adquirirmos educação e conhecimento em qualquer área. Cursos de idiomas, culinária, administração, finanças e até aulas de dança podemos encontrar através de vídeos. Dos mais exóticos, como o acesso à culturas estrangeiras, ao mais simples, como trocar uma lâmpada, estão disponíveis online, tanto pagos quanto gratuitos. Com apenas alguns cliques, conseguimos visualizar arquivos de inúmeras bibliotecas de grandes Universidades ao redor do mundo. Mesmo sem nos matricularmos em um curso específico podemos nos tornar grandes conhecedores de um assunto nos empenhando a realizar pesquisas, tendo atenção a fontes seguras.
 
Nos lugares onde o acesso à população é dificultado, estamos conseguindo espalhar conhecimento, desprendendo as pessoas dos métodos convencionais e permitindo que  cidadãos tomem melhores decisões.
 
Além das comunidades carentes, as pessoas que já possuem facilidade no uso da Web possuem amplas possibilidades de expandir seus conhecimentos, buscando cursos e informações até mesmo em outros países. Tudo isso por baixo custo, pois elimina a locomoção, o conflito de horários. Tudo pode ser feito no conforto da própria casa, perto da família, ou até mesmo sentado em algum lugar ao ar livre admirando a paisagem.
 
Mas, para funcionar há alguns fatores importantes que precisamos ficar atentos como treinar nossa habilidade de descobrir coisas, por meio de erros, acertos e persistência. Pesquisar, filtrar e implementar todos os recursos descobertos através da prática é a maior aliada na autoeducação. Um bom ambiente é fundamental para criarmos uma rotina de estudos e facilitará muito a disciplina. Preparar um lugar calmo e silencioso, livre de distrações e estabelecer um cronograma para se organizar melhor são algumas das técnicas que podem ser utilizadas. Apesar disso, aprender sozinho nunca pode ser levado como incômodo e desagradável, toda a regra tem exceção e se funciona para você estudar ao som de heavy metal no fone de ouvido, deitado em sua cama, vá em frente! O importante é nos sentirmos bem aprendendo.
 
Na busca do conhecimento, a resposta nunca deve ser “eu não sei fazer”, mas sim “vou descobrir como faz”. Há muitas pessoas online dispostas a ajudar. E podemos ensinar também. Todo mundo possui algo em que é bom e pode ser que seja tão específico que realmente só nós sabemos fazer. Quem sabe possuímos a solução para o problema de um velho agricultor em uma cidadezinha distante? Talvez ensinamos a base da nova receita do prato que fará parte da geração de uma família daqui pra frente. Há infinitas possibilidades.
 
Assim, devemos alimentar as nossas curiosidades e espalhar as nossas ideias. A Internet chegou para nos conectarmos com um número mais variado de pessoas, culturas e lugares. Possuímos maior acesso à informação que qualquer ser humano na história. É hora de fazer melhor uso dela.
 
Autora: Tayna Schneider